Arquivo | julho, 2010

Vacinação para cães vítimas de enchentes

30 jul

Os animais de companhia também sofreram com as enchentes que atingiram 67 cidades de Pernambuco, principalmente os municípios de Barreiros e Palmares, em junho desse ano. E para prevenir a proliferação de doenças entre os animais domésticos das famílias que foram afetadas pelas chuvas e que estão desabrigadas, foram distribuídas 500 doses de vacina  na região.

O medicamento aplicado foi desenvolvido para proteger os cães contra cinomose, parvovirose, coronavirose, parainfluenza, adenovirose, hepatite infecciosa e leptospirose canina, viroses que frequentemente afetam animais não vacinados no período recomendado.

As vacinas foram doadas pela Merial Saúde Animal, que por meio da Campanha “Cinomose Aqui não”, reverteu 5% do número de doses vendidas às entidades. Segundo o médico veterinário Leonardo Brandão, a empresa doará cerca de mais quatro mil doses para ONGs afiliadas à WSPA em todo o território brasileiro.

Lembrando que a cinomose é uma doença contagiosa grave que atinge o sistema nervoso dos cachorros e quase sempre os leva à morte.

Fonte: PetMag

Anúncios

Bombinhas inaugura Centro de Vigilância Animal

29 jul

Será inaugurado o Centro de Vigilância Animal de Bombinhas, trata-se de um espaço destinado às castrações de animais, cães e gatos, machos e fêmeas, domiciliados, serviço que objetiva um controle mais eficiente da população animal no município e tende a reduzir as doenças de origem animal.

Bombinhas já se destacava, antes mesmo da inauguração, no controle de zoonose. No começo de julho a médica veterinária Andréa Diedrich Porto, da Divisão de Vigilância em Saúde do município, fez uma apresentação, primeiro às agentes comunitárias de saúde e depois às autoridades do Executivo, Legislativo, autoridades e associações de classe, abordando temas como posse responsável, zoonoses, legislação, controle popuilacional e Centro de Vigilância Animal.

Ao longo do mês de julho estão sendo proferidas palestras em todas as unidades de ensino e associações com a colaboração do Instituto Ecosul/WSPA.

No CVA o médico veterinário Rubens Marcante será o responsável pelas cirurgias de esterilização de cães e gatos. As agentes comunitárias de saúde farão um cadastramento do número de animais e da intenção dos proprietários em querer castrá-los. O trabalho terá início no bairro José Amândio. As castrações serão agendadas por telefone pelos funcionários do CVA. Só serão castrados animais domiciliados. Os critérios para castração são: baixa renda, mais de três animais, idade do animal entre cinco meses e seis anos e todos devem estar em bom estado de saúde.

Na data agendada o veterinário irá à residência onde está o animal pela manhã, fará uma avaliação clínica e, se tudo estiver de acordo, o proprietário assinará a autorização para a castração. O animal receberá o pré-anestésico, irá ao CVA, será submetido à castração, será identificado e retornará para a sua residência no período da tarde. As cirurgias, segundo a médica veterinária Andréa Diedrich, devem começar na última semana de julho.

Fonte: Prefeitura de Bombinhas

Esterilização gratuita para animais domésticos

28 jul

Muito importante a notícia publicada na Anda – Agência de Notícias de Direitos Animais. Esse Projeto de Lei deve servir de exemplo para outros municípos também tenham essa atitude.

Confira:

No último 7 de julho foi aprovado por unanimidade, pela Câmara de Vereadores de Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, o Projeto de Lei, proposto pelo vereador Zé Eurides, que caracteriza a esterilização gratuita de caninos e felinos como função de saúde pública, institui sua prática como método oficial de controle populacional e de zoonoses, proíbe o extermínio sistemático de animais urbanos.

O projeto autoriza o Poder Executivo a criar Postos de Atendimento Veterinário e Hospital de Pronto-socorro Veterinário 24 horas no município de Passo e dá outras providências.

Veja o documento do projeto aqui

Superpopulação de gatos na Unesp

27 jul

O texto divulgado na Rede Bom Dia, informa que a superpopulação de cães e gatos trazem diversos problemas na sociedade. E esse problema não é encontrado só na Unesp de Rio Preto, é um problema mundial. Porem alguns países tem mais recursos para gastar com o controle de zoonoses, no Brasil esse recurso é menor e o problema não é tratado com prioridade, com isso encontramos milhões de animais nas ruas, transmitindo doenças, sendo maltratados e morrendo.

Confira:

A superpopulação de gatos, aliada à ameaça de dengue, coloca a direção da Unesp de Rio Preto e uma entidade protetora de animais em conflito. Há quatro anos, a Proambi (Protetores do Amigo Bicho) cuida de animais abandonados no campus, oferecendo ração como forma de aproximação para castrá-los e encaminhá-los à doação. Hoje, cerca de 120 vivem no local e pelo menos 600 já passaram pela cirurgia.
Entretanto, a universidade acaba de publicar um comunicado que autoriza a zeladoria a fazer mutirões para retirar alimentos e recipientes com água. “Não somos a favor de maus-tratos. Mas já perdemos o controle dessa população e tivemos registros recentes de criadouros de Aedes aegypti em pratinhos”, diz o diretor em exercício do campus, Vanildo Luiz Del Bianchi.
Voluntários da ONG temem que haja extermínio. “Na semana passada fizemos um boletim de ocorrência de um gato morto”, diz a professora Marlei de Freitas Périco, 48, da entidade. Vanildo comprometeu-se a marcar uma reunião para discutir o caso com a ONG.

Fonte: http://www.redebomdia.com.br/Noticias/Dia-a-dia/26264/Superpopulacao+de+gatos+na+Unesp+provoca+conflito+com+%27Protetores+do+amigo+bicho%27

EUA considera banir venda de animais em pet shops

26 jul

Conselho da Indústria de Animais de Estimação da Califórnia se opõe ao projeto

A comissão de Controle e Bem-Estar Animal da cidade norte-americana de São Francisco, na Califórnia, vai votar em sua próxima reunião, se aprova um decreto que proíbe a venda de animais de estimação em pet shops. Embora a proposta original visasse apenas cães e gatos, outras espécies também estão sujeitas a serem incluídas na lista, como hamsters, chinchilas e outros pequenos animais, como répteis e aves.

De acordo com o site PetPeoplePlace.com, a Comissão declarou que o decreto-lei proposto “destina-se a impedir a venda de cães e gatos a partir de ‘fábricas de filhotes’, bem como diminuir as taxas de eutanásia de outros pequenos animais nos abrigos da cidade”. Após uma discussão importante da proposta, a Comissão revelou que o assunto será colocado em pauta novamente na reunião do próximo dia 8 julho.

Se por um lado o projeto visa o bem-estar dos animais, o Conselho de Consulta da Indústria de Animais (PIJAC na sigla em inglês) se opõe fortemente à proposta, dizendo que se aprovada, a lei incentivaria outras regiões a adotarem restrições semelhantes.

Segundo o site, a PIJAC acrescentou ainda que apoia o direito dos proprietários “de ter opções de onde obterem seus pets, com base em suas necessidades e preferências”.

Fonte: PetMag

Vacinação Contra Raiva em Cães e Gatos

23 jul

Todo ano, no mês conhecido como “cachorro louco”, é realizada a vacinação contra a raiva em cães e gatos. No ano passado, cerca de 5 milhões de cães e 630.000 gatos foram imunizados em todo o estado de São Paulo.

Há nove anos nenhum caso de raiva entre os humanos foi registrado no estado. Parabéns aos CCZ´s e Prefeituras pelo belo trabalho nas campanhas de vacinação contra Raiva.

Veja mais informações do CCZ de São Paulo:

Para a realização da Campanha de Vacinação Contra a Raiva em Cães e Gatos, que acontece de 16 a 29 de agosto, cerca de 2 mil postos estarão disponibilizados em todas as regiões da cidade. A vacinação é gratuita e obrigatória com base em lei municipal.

A população animal alvo da campanha são os cães e gatos acima de três meses de idade, inclusive as fêmeas que estiverem amamentando, prenhes ou no cio. A vacina é aplicada com seringas e agulhas descartáveis e o responsável pelo animal recebe um comprovante de vacinação.

A relação dos postos, com locais e datas por região, pode ser consultada no link abaixo ou na Central 156 da prefeitura. O horário de vacinação é das 9h às 17h.

CLIQUE AQUI E VEJA A LISTA COMPLETA DOS POSTOS DE VACINAÇÃO

Raiva: vacinar é prevenir

A raiva é uma doença transmissível de animal para animal e de animal para o ser humano, cuja transmissão ocorre pelo contágio direto, isto é, pelas mordidas, arranhões ou lambida de cães, gatos, morcegos ou outros mamíferos infectados.

Nos centros urbanos, cães e gatos, por terem o hábito de caçar, estão mais expostos, podendo entrar em contato com morcego infectado e, dessa forma, virem a contrair a doença. A raiva humana em regiões urbanas é prevenida por meio da vacinação anual de cães e gatos.

NO DIA DA VACINAÇÃO, RECOMENDA-SE:

  • Cães dóceis devem estar com coleira e guia, e ser conduzidos por pessoas com tamanho suficiente para controlá-los e contê-los na hora de tomar a vacina;
  • Animais bravos devem estar com focinheira para não oferecer nenhum risco de agressão ao proprietário ou outras pessoas;
  • Gatos são naturalmente muito assustados e precisam ser transportados em caixas de transporte ou similar, para que se evitem fugas ou acidentes;
  • Animais doentes não devem ser vacinados. Exemplos: animais com diarréia, secreção ocular ou nasal, sem apetite, animais que estão convalescendo de cirurgias ou outras enfermidades,
  • Crianças não devem levar os animais para vacinar.

Fonte: CCZ de São Paulo

São Paulo tem mais de 2,9 milhões de cães e gatos

22 jul

Levantamento realizado no final de 2009 pela Faculdade de Medicina Veterinária da USP mostra que a cidade de São Paulo tem por volta de 2,4 milhões de cachorros e 580 mil gatos. A pesquisa foi encomendada pela Prefeitura de São Paulo.

Cães

O censo mostra que a população de cães na capital é de 2,4 milhões, com crescimento de 60% em relação ao ano de 2002. Grajaú, no extremo sul, é a região com maior quantidade: 135 mil. Calcula-se que para cada 4,5 moradores de São Paulo exista um cão.

16,7% da população canina na capital paulista está esterilizada. Podemos observar que existe diferença muito grande entro alguns bairros. O Jardim Paulista é o que tem mais cães castrados, com 55,6% e José Bonifácio tem apenas 1,2%.

Os cachorros paulistanos têm em média 4,9 anos, 52,6% são machos e 36,1% são vacinados em clínicas veterinárias particulares.

Gatos

A população de gatos é menor, porém também é grande. Segundo a pesquisa são 580 mil gatos na cidade de São Paulo. O bairro Raposo Tavares é o que concentra maior quantidade de felinos: 29 mil.

Estima-se que para 19 homens na cidade exista um felino. A porcentagem de gatos esterilizados é maior do que a de cães, ela chega a 40,5%. Mooca, Pinheiros e Vila Mariana têm 100% da população felina esterilizada.

Os gatos têm em média 3,9 anos, 41,3% dos gatos são machos e 32,5% são vacinados em clínicas particulares.

Fonte: O Estado de São Paulo

http://www.estadao.com.br/especiais/sao-paulo-tem-29-milhoes-de-caes-e-gatos,79477.htm

Feira clandestina de filhotes

21 jul

Diversas práticas ilegais são resultado da superpopulação de cães e gatos. No bairro da Vila Leopoldina (zona oeste de São Paulo), acontece aos finais de semana feiras clandestinas de venda de filhotes. Eles aproveitam o grande movimento de clientes de uma ampla loja de produtos para animais e negociam cães e gatos pelo preço de R$ 800 a R$ 2.000.

Segundo a prefeitura de São Paulo, a feira é ilegal, pois não existe comprovação da origem dos animais e a maioria não estão castrados nem identificados com chip.

Os animais ficam dentro do porta-mala ou em caixas de papelão, e existe a opção de pagar em 2 vezes no cartão de crédito.

O Centro de Controle de Zoonoses diz que tem realizado ações para coibir o comércio ilegal de animais e que em maio foram apreendidos 31 filhotes no local, depois tratados e levados para adoção.

Novidades no combate a leishmaniose

20 jul

A Leishmaniose visceral, uma doença parasitária, mata muitas pessoas pelo mundo, perde apenas para a malária. A doença causa alterações em diversos órgãos, levando a pessoa à morte em 90% dos casos. A doença é transmitida de animais para os humanos e o principal hospedeiro são os cachorros.
Como medida de segurança para evitar a proliferação da doença, o Ministério da Saúde proíbe que os animais com leishmaniose sejam tratados e ordena que os animais sejam eutanásiados.
Recentemente apareceu uma empresa que dizem ter encontrado uma solução para o problema. São coleiras antiparasitárias, que liberam um principio ativo pela pele do cão, protegendo contra a aproximação do mosquito e agindo por até quatro meses.

Já existem prefeituras fazendo campanhas preventivas com as coleiras. As ações são realizadas nas áreas onde há maior transmissão da doença, segundo o Ministério da Saúde.
Atualmente muitos lugares utilizam a desculpa da leishmaniose para matar os animais, e escaparem de punições, já que em animais contaminados deve ser cometida a eutanásia.
Além da utilização da coleira, algumas atitudes preventivas podem ser tomadas para auxiliar no combate da doença:
– Denunciar o desmatamento de áreas verdes na cidade;
– Manter o animal em local limpo;
– Vacinar seu cão anualmente.
Também o Controle Populacional reduziria a propagação dessa e de outras doenças. Diminuindo a população de cães, reduz-se também o principal hospedeiro da doença.

CRMV emite parecer favorável à castração química de cães

19 jul

A Rhobifarma, laboratório responsável pelo Infertile, medicamento voltado para a esterilização química de cães, lançado há pouco mais de um ano no Brasil, apresenta algumas novidades.

Entre elas está o parecer favorável emitido pelo CRMV-SP (Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo), disponível para download. Após diversas críticas de protetores e até veterinários, o corpo técnico do órgão realizou um trabalho para avaliar a segurança e a eficácia do produto.

Em linhas gerais, o documento cita que o Infertile foi desenvolvido após um minuncioso desenvolvimento ciêntífico e “representa uma alternativa de interesse para a saúde pública veterinária, indicado, principalmente, para o controle da reprodução de cães de companhia de populações de baixa renda.”

Outra novidade é o protocolo de aplicação criado pela equipe do Professor Dr. Stelio Pacca L. Luna, da FMVZ (Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia) da Unesp de Botucatu (SP), uma das principais referências brasileiras em anestesiologia veterinária.

Para eliminar qualquer tipo de dor ou desconforto, cerca de 30 minutos antes da castração com o Infertile deve ser ministrado Acepromazina por via intramuscular, na dose de 0,025 mg/kg, um medicamento de uso comum e baixo custo.

Nos testes realizados com esse protocolo não foram identificados sinais de dor que obrigassem o uso de fármacos adicionais (analgésicos de resgate). Vale lembrar que na comparação com o grupo castrado cirurgicamente a manifestação de dor foi menor entre os esterilizados quimicamente.

Outra notícia é que a WSPA (Sociedade Mundial de Proteção Animal) também se posicionou formalmente a respeito da castração química. Segundo um documento divulgado recentemente nos Estados Unidos, a entidade ainda não usa o método em seus programas porque está avaliando o custo benefício da tecnologia, porém, não desaconselha suas afiliadas a utilizarem.

“A castração química de cães se mostra uma boa ferramenta na luta contra a superpopulação e o consequente abandono. Vale ressaltar, no entanto, que outras medidas como a castração de fêmeas, programas de identificação (de animais e tutores) e campanhas de educação que visem a posse responsável não devem ser esquecidas”, diz Rosangela Ribeiro, gerente de Programas Veterinários da WSPA Brasil.

Desde o lançamento oficial, em março de 2009, milhares de cães já foram esterilizados com o Infertile em diversas cidades brasileiras. Em Americana (SP), por exemplo, a prefeitura já realizou mais de 400 aplicações do produto e hoje não existe mais fila de cães machos precisando de castração.

Em média, a esterilização química custa 70% menos do que a cirúrgica. Interessados em mais informações sobre o produto podem escrever para o e-mail: infertile@infertile.com.br.

A empresa se compromete publicamente a responder todos os questionamentos.

Fonte: ANDA